A nova Onor

Por Annabelle Rech

03/08/2020


A partir desta segunda-feira, 3, começamos oficialmente uma nova fase dentro da Onor.
É verdade, com um número reduzido de funcionários e um portfóleo menor de empresas.
Mas, com a certeza de que mudamos para melhorar e evoluir,
para chegarmos cada vez mais longe da forma como precisamos,
nos adequando a novos tempos, vindos com uma pandemia.

É verdade, tudo ainda é muito novo e relativo,
ainda estamos no meio de uma crise global, na economia e na saúde.
O mundo nunca mais será o mesmo, quando o Coronavírus passar,
e se quer sabemos, quando é que isso vai ocorrer.

Mas, enfrentamos os desafios com a cabeça erguida e a certeza de darmos o nosso melhor.
Nesse sentido, continuemos nossa batalha em busca de realizar nossos sonhos e objetivos,
e de fazer você, ir além.
Vamos revolucionar juntos!
http://onor.com.br
conheçam a nova Onor no link acima.

Operações das clínicas Prevent serão repassadas a outra marca a partir da semana que vem

Operações das clínicas Prevent serão repassadas a outra marca a partir da semana que vem
Por Annabelle Rech

20/07/2020


Por meio deste gostaria de informar a todos,
colaboradores, seguidores e fornecedores,
que a clínica Prevent, terá suas operações repassadas a outra marca.
Recebi, ao longo dos últimos dias, algumas propostas de compra da empresa,
não somente a apresentada neste domingo, 19 de julho.
Depois de avaliar cautelosamente cada uma delas, acabei optando pela melhor ao meu ver.

9 prédios da Prevent, serão vendidos com o negócio.
Apenas a matriz da Onor em Porto Alegre, que também tinha em funcionamento uma unidade da empresa, não será vendida no pacote.
Os equipamentos serão transferidos para a nova dona da marca, mas o prédio, continuará sendo de uso da Onor.
Nas outras cidades, teremos as clínicas todas no pacote de vendas.
Em São Paulo, onde temos dois prédios, um para a clínica e um outro de escritórios um pouco menor, ficaremos com nossa base de escritórios.
Lá, concentramos operações de tecnologia e de outras áreas.
Em Porto Alegre, ficará concentrada, nossa universidade e nosso centro de distribuição.
Os andares antes ocupados pela Prevent, serão assim que desocupados, transformados para essas adaptações.

A Onor, vai atuar no ensino e na tecnologia, aliando as duas propostas.
Continuaremos a comercializar internet via satélite, fibra ótica e 4G.
E estamos nos preparando para também usar, antenas de 5G, assim que suas frequências forem liberadas.
Este é, um grande processo de transformação, que será melhor explicado ao longo dos próximos dias.
A partir de 2 de agosto, uma nova Onor ressurgirá.
Mais forte, mais vibrante, com muito mais desejo de ir além.

Temos, 1,7 mil funcionários ao longo de nossas sedes em diferentes países, sendo 1,2 mil deles só no Brasil.
Vamos ampliar essas participações.
Nas próximas duas semanas, serão contratados, mais 3 mil funcionários, 2 mil deles para o Brasil e outras mil pessoas para Alemanha, Coreia do Sul e Reino Unido, onde
manteremos nossas operações.

Durante os últimos 5 anos, trabalhei nas clínicas da hoje Onor, e acompanhei o processo de crescimento da marca.
Vi, o potencial em que cada profissional de nossa empresa possue.
Lamentei profundamente, ter que os dispensar.
Mas me conforta, que com essa mudança inesperada onde outra marca assumirá a Prevent, a maior parte desses funcionários ao menos no Brasil, serão trazidos de volta.
São pessoas excepcionais, que sempre deverei muito.
E que não perderão nem um dos benefícios que já lhes foram concedidos pela Onor.

Trabalharemos em parceria com a nova clínica que se formará,
inclusive para manter os filhos desses funcionários no Centro Onor de Ensino.
Com excelência e qualidade naquilo que nos disponibilizamos a fazer, em todas as esferas de Educação.
Em breve publicarei novos detalhes, a cerca das operações da clínica nova.
E desejo sorte e sucesso, aos aquisidores da Prevent.

Proposta de compra da Prevent

Por Annabelle Rech

19/007/2020


Na manhã deste domingo, acredito que fui surpreendida assim como todos que acompanharam a notícia,
de uma proposta de compra das operações da Onor Prevent.
As clínicas foram fechadas em 14 de julho e os funcionários demitidos como já expliquei em outro Post.
Para que a Onor, empresa matriz, pudesse se restabelecer em meio a essa nova crise gerada pela pandemia do Coronavírus.

Há pessoas no entanto, interessadas em comprar nossa rede,
pois como eu expliquei antes, temos equipamentos de alto valor e que são muito úteis no tratamento de manutenção para determinadas doenças.
Nossas instalações são uma das mais modernas do Brasil, e nosso atendimento sempre foi um padrão de primeira linha.
Ao receber a proposta hoje, observei que o interesse da compra, eram nos 10 prédios Onor Prevent que existem no Brasil.
O preço ofertado era bom, até mais do que valem, o que no futuro pode encarecer futuras ações da empresa e o seu valor de mercado.
Mas, não vou entregar a Prevent ainda que fechada, aqui me referindo a equipamentos e prédios somente,
sem antes analisar cada coisa que vem nesta proposta.

São, 36 parcelas que me são oferecidas até dar o valor pretendido,
por um consórcio que não conheço e que busca conquistar seu espaço agora adquirindo a Prevent.
Antes de qualquer decisão é preciso, ter segurança jurídica e financeira do negócio.
Outra coisa importante de se destacar, é que preciso deixar claro que não são todos os prédios que poderão ser vendidos.
Alguns, são de uso da Onor para outras atividades e continuarão o sendo.
Podemos nos desfazer das clínicas e dos equipamentos, mas não podemos deixar com que usem esses prédios pois daremos outra destinação a eles.
Um exemplo disso, é a Onor Matriz, em Porto Alegre.
O prédio de 15 andares, tem 5 para a clínica e outros de outras instalações da empresa.
Este, não estará obviamente a venda, o que vai fazer o valor ofertado pelo Consórcio interessado ser revisto.
Não digo que não fecharei o negócio, mas sim que vou, ou melhor,
que estou analisando a proposta.
E se outras chegarem, também serão analisadas.

Um final para a Onor, ou um novo começopost

Por Annabelle Rech

17/07/2020


Pessoal, tem muita gente por aí me chamando de louca.
Outras gentes por aí, achando que eu fiquei louca mesmo.
Mas não, eu não perdi a sanidade ainda.
É o que dizem meus laudos psiquiátricos, posso apresenta-los.

A verdade dos fatos é a seguinte, leiam bem e com atenção para que possam entender, exatamente como as coisas se formavam.

No ano de 2012, Lívia Miccelann inaugurou uma clínica em Porto Alegre e adquiriu outra rede de clínicas já existentes, formando a Santa Clara.
A partir de 2014, essa Santa Clara passou a fazer parte do Grupo Miccelann controlado pela Dra. Lívia e por sua filha, Giovana.

Dra. Lívia faleceu em 2015, e Giovana continuou tocando a empresa e fazendo ela crescer.
As clínicas se internacionalizaram e muitas unidades foram abertas em diferentes locais.
O plano de expansão e ampliação ia bem, quando em 2018 Giovana começou a atuar dentro da área de tecnologia.
Em março de 2019, ela faleceu e eu assumi a empresa, seguindo sua vontade e que havia deixado de se chamar Miccelann, para se transformar em Onor.
A Santa Clara também mudou de nome, passando a se chamar Prevent.
Ensaiamos no final do ano uma fechada de unidades da clínica, e também tivemos de fazer alguns ajustes.
Vendemos nossa carteira de planos de saúde individual, ficando apenas com o empresarial nessa mudança que foi feita.
O projeto, previa que investimentos fossem feitos nas áreas de medicina e tecnologia médica.
Para que a Onor, se tornasse uma grande empresa desses dois ramos.
Veio a pandemia de Coronavírus, a partir de 2020.
Todos os planos precisaram ser alterados e novos planos foram traçados, para que a empresa pudesse sobreviver.
Uma grande marca só se fortalece, se souber os momentos de migrar ou de se manter.
As clínicas estavam ficando vazias, apesar dos inúmeros casos de Covid-19.
Porque o que está em aumento, são atendimentos emergenciais.
E as clínicas da Prevent, são especializadas em tratamentos de manutenção.
São 25 especialidades atendidas, com completos tratamentos pra cardiologia, neurologia, oncologia e mais.
Alguns desses tratamentos, com os mais modernos equipamentos do mundo.
Modernos e caros, que ficaram em desuso por causa da pandemia.
É claro, uma hora essa pandemia vai passar,
mas a empresa não podia esperar até que isso acontecesse.
Desde que a crise começou, foi preciso se usar bilhões, em caixa de fundo de investimentos, para manter funcionários, prédios e equipamentos.
Para pagar fornecedores, para manter o caixa da empresa no azul.

É por isso que vi, como administradora, a necessidade de reestruturar a empresa.
Não a clínica Prevent, isso não ia resolver.
Mas a Onor como um todo.
Era melhor no meu entendimento, perder uma parte, do que perder a companhia inteira depois e ainda ser acusada de má gestão.
De ter destruído o que Giovana deixou.
O que eu não fiz, porque aqui, eu estou protegendo o patrimônio deixado por ela, e a marca Onor que ela construiu.
Fechando as clínicas eu garanto, a sobrevivência da empresa.

Sim, nesse processo demitimos 12,9 mil pessoas em todo o mundo.
Quase todos os funcionários que tínhamos.
Mas era necessária a reestruturação, de novo, para que não perdesse tudo o que foi construído.

O fim da Prevent, não significa necessariamente o fim da Onor.
Ao contrário é um novo começo para a marca.
E foi feito com estudos e planejamento, muito planejamento.
Com pessoas que entendem de administração e de reestruturações.

O que vai acontecer agora?
A Onor vai ser relançada.
E nesse relançamento a marca chega com outras especialidades de atuação.
O foco estará na tecnologia e nas comunicações com as pessoas.
Um de nossos grandes diferenciais, sempre foi a educação que demos para nossos filhos de colaboradores.
E continuaremos por fazer isso, estendendo essas formações a outras pessoas.
O Centro Onor de Ensino, terá cursos escolares, técnicos e superiores.
Voltados a todos os públicos em modos Online e Presencial, em São Paulo e Porto Alegre.
Transformando nossos prédios e adaptando-nos para a nossa nova fase.

Os equipamentos que antes eram usados pela Prevent, serão comercializados no mercado.
Assim como os prédios que foram usados para abrigar as clínicas.
Eles podem ser arrendados, alugados ou vendidos, dependendo das propostas recebidas.
Hoje para manter cada clínica ativa, eram gastos muitos recursos.
E cada prédio, vale em media R$ 250 Milhões.
Com os equipamentos dentro.
Os prédios internacionais, serão negociados com empresas locais.
E os do Brasil, ainda estão disponíveis.

A Onor, não está fechando as suas unidades, apenas as suas clínicas.
Por isso, continuará vendendo e produzindo, Tablets e Notebooks.

Em breve publicarei mais novidades.
E vamos também escolher uma data que será previamente divulgada, para ser o relançamento da Onor, e seu novo aniversário a posteore.

Novos Smartphones

Por Annabelle Rech

09/06/2020


Como prometido, hoje passamos a comercializar os novos Smartphones Kintien da Onor.
Suas especificações já estão no site da empresa em onor.com.br
bem como, a forma de comprar cada um deles.
Foram dois modelos apresentados na semana passada, P10 e P10 Mine.
Com especificações intermediárias e preços de R$ 1199,00 a R$ 1399,00.
Todas as especificações podem ser consultadas no site citado acima.

Os telefones rodam o sistema operacional Onor OS.
Que foi desenvolvido baseado no Android, mas com mudanças estratégicas feitas pela Onor.
Garantindo maior segurança e autonomia para quem for usa-lo.
O sistema também já está presente, nos Onorbooks e Onorpads, da empresa.
Que aliás, lançou um novo modelo top de linha nesta terça também.
O Onorpad Empire, que pode também ser consultado em nosso site.

Um tablet feito para quem precisa de um material de trabalho robusto, sofisticado, rápido e leve para transportar.
Estou amando usar o modelo, com o qual escrevo esta postagem.
Recebi um para testes na semana passada e estou o usando no lugar do Onorbook que utilizava anteriormente.
Ainda tenho os dois equipamentos, mas confesso que depois do Empire, estou muito inclinada a fazer a troca definitiva.
É muito mais praticidade e autonomia como eu disse antes e eu super recomendo a quem puder comprar.

Onor volta a produzir Smartphones

Por Annabelle Rech

03/06/2020


A Onor anunciou nesta terça-feira, 2, que voltará a ter uma linha de produção de Smartphones.
No ano passado, produzimos alguns modelos na China mas isso foi descontinuado em fevereiro de 2020.
Por conta de um impasse entre a Onor e o governo chinês.
Nossa fábrica precisou deixar o país asiático e se mudar para a Coreia do Sul, numa democracia um pouco mais aberta.
Começamos a produzir tablets em abril, e levou um tempo até que nos adaptássemos.

Agora na nossa nova casa, podemos voltar a produzir os nossos Smartphones,
sempre conhecidos pela excelência e o preço competitivo.
O primeiro modelo, foi apresentado em 2 de junho em um evento Online da Onor em Porto Alegre.
O evento mostrou algumas linhas de atuação da empresa, que serão lançadas nos próximos dias.

A partir do dia 9 de junho, esse primeiro modelo estará em venda, na nossa Loja Online, no site Oficial da Onor, http://onor.com.br

O novo modelo chegará ao Brasil, custando R$ 1200,00.
Mas os detalhes de seu lançamento e configuração só serão divulgados quando começar a ser vendido em 9 de junho.
O Smartphone foi apresentado para quem acompanhou o nosso evento do dia 2.
E ele sai de fábrica com o Onor OS, nosso sistema operacional.
Um modelo mais robusto da linha de Smartphones, será lançado pela Aykon, nossa empresa de tecnologia, em julho.
Os detalhes dele também serão divulgados no futuro.
Por enquanto, a Onor trabalhará com essas duas linhas de telefones.

Os novos Onorpads, também foram lançados em 2 de junho.
Tablets mais potentes do que a versão anterior, divulgada em abril.
Os modelos, também entram em venda a partir de 9 de junho na loja Online da Onor.
Eles custarão R$ 1599,00 a configuração intermediária, e R$ 2600 a configuração mais robusta.
Os Onorbooks, não sofrem alterações e não terão lançamentos em 2020.

Esclarecimentos sobre desligamentos de funcionários

Por Annabelle Rech

23/05/2020


Ao longo desta semana como disse aqui no Blog, a Onor está fazendo uma série de readequações,
é natural que nesse processo, diretores fossem trocados, superintendentes fossem renomeados e que algumas pessoas acabassem demitidas.
Não significa que não são bons profissionais, tão pouco que nos desagradavam,
mas sim que a empresa no processo de readequação, não encontrava mais lugar para que essas pessoas fossem mantidas.

Em todo o mundo, temos a preocupação de cuidar de nossos funcionários,
e temos, uma base de 12,8 mil pessoas contratadas.
Só no Brasil, eram até 18 de maio, 8 mil pessoas.
Muitos cargos estavam sendo ocupados, por gente que poderia melhor ser aproveitada em outras áreas,
muitos cargos precisavam ser extintos para que a empresa pudesse fluir melhor,
e muitos funcionários não se adaptaram ao novo ambiente digital, interposto pela crise do novo Coronavírus.
Foi inevitável que, desligássemos algumas pessoas da nossa empresa.
Nós tivemos de fazer uma escolha, embora difícil mas necessária.
E neste processo, desligamos 300 funcionários e funcionárias, de diferentes áreas de atuação, em toda a Onor.
Médicos da Prevent por exemplo, foram 21 demissões, em diversas clínicas.

Na semana que vem, no dia 25, anunciaremos o remanejamento de outros profissionais, 100 deles, que integrarão nossa base internacional.
E se mudarão do Brasil, para que como eu disse acima, possam ser melhor aproveitados em outras áreas.
Infelizmente, vamos ter que continuar um processo longo de remanejamentos e de demissões,
por conta das circunstâncias nada convencionais que vivenciamos.
Isso é necessário para se manter o equilíbrio de uma grande marca como a Onor, e suas subsidiadas.
Pois se queremos continuar grandes, as vezes sacrifícios são necessários.

Serão desligadas, mais 100 pessoas, totalizando 400 demissões.
E não que iremos demitir mais 400 pessoas, como foi divulgado anteriormente por alguns canais da mídia, de maneira equivocada.
Mesmo com essas demissões de 400 funcionários, e o remanejamento de outros 100, a Onor terá no Brasil, 7,6 mil pessoas contratadas.
E em todo o mundo, 12,4 mil pessoas atuando.

Essas 100 pessoas que serão remanejadas no Brasil para o exterior, vão cobrir cargos que lá, foram cortados.
O que quer dizer, que em outros países também fizemos, embora em escala ,menor, cortes e demissões.
O que eu lamento é, que no processo de readequação, algumas pessoas não compreendam as razões que nos levam a fazer isto.
E deste modo, tomam decisões precipitadas.
Foi o caso de um grupo de médicos, da Prevent em São Paulo, que se desligaram na sexta-feira, 22, por conta própria da Onor.

Essas pessoas que pediram suas demissões e não aceitaram se quer cumprir aviso,
deixaram a empresa desassistida, numa tentativa clara de prejudicar o funcionamento do hospital, o atendimento de seus pacientes, e trazer prejuízos.
Porque não concordaram, com as decisões administrativas desta Executiva, nos cortes autorizados.
Compreendo que para muitos, seja doloroso perder o emprego, e as pessoas que conviveram consigo por anos.
Mas este é um processo natural da vida, pois nada é para sempre, nada é eterno.
Tudo tem um prazo de validade, e as vezes, pessoas precisam partir para que outras possam chegar.

Quero garantir, que apesar desses desligamentos e do dano que isso trará a Prevent de SP,
nosso empenho está, e sempre estará, no bem-estar de nossos pacientes.
E que vamos fazer o que necessário para garantir, atendimento presencial e digital a todos.
Na semana que vem, encerraríamos o monitoramento aplicado em pacientes de doenças graves, que disponibilizamos de maneira gratuita, desde abril.
Mas, por causa dos desligamentos de profissionais de saúde, e a necessidade de priorizar alguns atendimentos, até por conta dos casos de Covid-19 que atendemos,
esse monitoramento precisou ser encerrado mais cedo.
A partir de domingo, 24 de maio, as pessoas cobertas não terão mais a monitoração.
Isso não afeta a quem tem o serviço contratado, mas atinge, aqueles que foram beneficiados temporariamente com a gratuidade.
Pois para fazermos isso, contávamos com o reforço de médicos do hospital, que agora não integram mais o quadro de funcionários da empresa.
E não temos como repor, em curto espaço de tempo.

São, cerca de 22 mil pessoas que perderão esse acesso, que lhes foi concedido até 29 de maio.
E que está sendo suspenso, uma semana antes. Infelizmente.

Outras 21 mil pessoas que já tinham o serviço, por integrar a rede Prevent de clientes, continuarão com o monitoramento ativo, sem qualquer prejuízo.